Porto de Sines

Porto de Sines

terça-feira, 1 de junho de 2010

Pescado na Rede do Teu Pudor



Sereia, naufrágio do meu coração,
Sou marinheiro, perdido no eco da tua canção,
Pescado na rede do teu pudor
Com o peito rasgado de amor.

[S.A.C./Auspicious 01.Junho.1977-20.Dezembro.2008]

24 comentários:

acácia rubra disse...

As sereias são o que julgamos ser no silêncio da nossa canção.

São barcas belas onde as velas prendem o coração.

Obrigada pela visita

manuel marques disse...

Fantástico.

Abraço.

Lídia Borges disse...

A sereia encanta e prende para sempre...
Pobre marinheiro!

Gostei da sua interpretação dos meus versinhos para os miúdos!

Obrigada!

L.B.

Regina Rozenbaum disse...

Jorge, amado!
LINDO...aliás, FABULOSO como você! Não é à toa que deixei um mimo procê lá no Divã...
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com
P.S. adorei a nova música...

susana disse...

Lindo!
Sereias e encantamentos fazem-nos sonhar!
beijinhos missixty

Aqui - Ali - Acolá disse...

Olá Jorge bom dia:

Boa postagem esta que reflecte bem o sentido da escolha para publicação de um post.

Não é à toa que se pode postar qualquer coisa, é preciso sim saber fazê-lo com o sentido certo no caso correcto e aqui, acompanhando esta bela foto, o texto está excelente.

Abraço e bom feriado.

Kimbanda disse...

Jorge, estimado amigo:
Siga a canção e vai ver que não se perde, encontra-se no amor que a rede tece.
Kandandos

quicas disse...

Atento, "marinheiro"!!! Bons ventos e marés te tragam felizes descobertas!...
Abraço

Multiolhares disse...

Não sei se foi escrito por uma criança, digo isso pela letra, mas há uma poesia vestida de sonho nesse escrito feito poema.
beijinhos

Janita disse...

Olá Jorge.
Desde que vi no meu blog que tinha um novo post, que andava ansiosa por cá vir. Esta semana, apesar de curta, foi muito cansativa para mim e por onde passei foi de uma forma apressada. Agora com o feriado, a ponte e o fim-de-semana, tempo é o que não me vai faltar...e cá estou eu!
Confesso que quem ficou um pouco presa na rede do pudor desta sereia, fui eu...A ideia é muito poética e o canto das sereias já foi a perdição de muitos marinheiros, mas gostaria que o Jorge me eslarecesse o que significa a transcrição abaixo do texto manuscrito, com duas datas diferentes.
Por favor não fique aborrecido comigo...este é um dos meus muitos defeitos: tenho que entender tudo muito bem, senão sinto-me perdida. E, duas pessoas perdidas pelo pudor da mesma sereia, não acha um pouco demais?..
Bem, só espero que com isto não tenha perdido mais um amigo...
Um abraço da Janita

Graça Pereira disse...

Ai de quem escuta o canto da sereia...ficará para sempre perdido na teia do seu amor...
Belissimo post!
Beijo e bom fds
Graça

Uma Brasileira disse...

Jorge...


Sabe o que me encanta em seu blog?
São seus posts e os comentários.


Beijinhos.
Franca/SP./Brasil

serpai disse...

Olá Jorge...!

Pois aqui estou...
O meu blog conta já com um ano...! E para a ocasião escrevi algo que também é para ti... e, de passagem, podes ver que há um selo que podes levar, se assim o quiseres...
Pois, como o seu nome indica, serve para "selar" este vínculo que nos uniu neste tempo transcorrido..., muito ou pouco..., isso me encantaria..., e faria completo este festejo e a minha alegria...!
Ou se não..., ofereço-te uma flor de Ceibo que é a flor do meu país: Argentina.

Prometo voltar com mais tempo.

Obrigado pela tua presença...!

Cumprimentos,

SERGIO.

Jorge disse...

acácia rubra,
...pobre de quem se afoita nas águas frias do mar onde ficam noite e dia...
Saudações,
J

Manuel Marques,
Obrigado pela sua estimada opinião.
Cordialmente,
J

Lídia Borges
O encantamento é tal que o envolvido deixa de saber de si.
Grato pela sua presença.
J

Laura disse...

Costumo escrevinhar em todo o lado, no carro trago um grande bloco, na carteira sempre um mais pequenino, as letras saem ao sabor do caso. Não raro tenho de encostar para não se perder o que a cabeça está a cantarolar...
Já pus poesias escritas em Coimbra nos jardins do H dos Covões, e saíram lindas letras.
Bela ode ao amor..
Um beijinho da laura

Jorge disse...

Rê Amiga,
À toa, seria a última coisa que a sua apurada sensibilidade consentiria fazer.
Guardei emocionado o seu mimo, com muita ESTIMA, em nome do autor, que do Azimute agradece.
Muito grato.
Jorge

puga assis disse...

Li várias vezes o poema pelo facto da sua beleza a harmonia contrastarem com a intensidade dramática do mesmo texto, quando escrito à mão, o que me levou a uma realidade mais profunda.
Para além da delicadeza do pensamento abstracto, do sonho, da divagação mística, da razão e do «bom-senso», está a voz poderosa de um espírito que cultiva o amor e que sai mutilada quando o vê renegado.
Zito

Jorge disse...

Olá Susana!
Sonhamos ser pessoas felizes, o que nem sempre acontece.
Obrigado pelo seu comentário, amiga.
Um bom domingo.
J

Aqui - Ali - Acolá
Um comentário especial [como o considero],interpretativo da essência da postagem. Obrigado.
Um abraço amigo.

Kimbanda Amigo,
Alguém, muito próximo, se perdeu - não eu - amigo.
Um forte abraço.

Olá Quicas!
Obrigado pela sua presença.
As marés e o tempo não esperam por nenhum homem.
Um abraço.

Multiolhares,
O poema foi escrito por um adulto, que nasceu no dia da criança - com o coração de criança.
Abraço amigo,
J

Jorge disse...

Graça Pessoa,
Obrigado pelo teu comentário precioso, que, em si mesmo, diz tudo...
Um bom domingo,
bj
J

Uma Brasileira,
Obrigado pelas palavras amáveis que aqui deixou.
bjis

Jorge disse...

serpai,
Olá Amigo!
Obrigado, não só por acorreres ao meu apelo, mas também pela delidadeza da oferta do selo comemorativo do 1º Aniversário do teu conceituado blog.
Escolhi a flor de Ceibo, por ser a Flor Nacional da ARGENTINA - o teu País - que selará o vínculo da nossa amizade.
Saudações cordiais,
Jorge

Jorge disse...

Olá, Janita,
Grato pelo seu interesse e disponibilidade.
As suas dúvidas reforçam a nossa amizade.
As duas datas delimitam o dramatismo existêncial de quem viu o seu amor relegado.
Um abraço amigo,
J

Laura,
Foi bom ler o seu comentário.
Tenho também o hábito permanente de tirar as minhas notas. A escrita liberta as palavras e dá asas ao pensamento.
As suas poesias são peças únicas, autênticas obras de arte.
bjis
J

Jorge disse...

ZITO,
Fico feliz pela tua interpretação do poema, cujo merecimento está contido nas tuas palavras.
Obrigado.
Um forte abraço.
Jorge

Janita disse...

Querido amigo Jorge.
Não sabe o quanto lamento o facto de não me ter detido durante mais tempo na análise do seu poema. Acredite que não houve nenhuma leviandade da minha parte, apenas precipitação. Mea culpa.
A sua resposta veio tirar um peso enorme da minha consciência.
Obrigada pela sua compreensão, meu amigo.
Um beijinho muito grato da Janita.

Jorge disse...

Viva Janita,
Não se preocupe mais. Obrigado pelas suas palavras.
bji
J