Porto de Sines

Porto de Sines

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

" OLIVENÇA " [1/ 3]

" Questão de Olivença " é o nome pelo qual é conhecido o diferendo entre Portugal e Espanha quanto à soberania sobre Olivença.
A administração e soberania espanhola sobre Olivença e territórios adjacentes não são reconhecidos por Portugal, estando a fronteira por delimitar nessa zona [faltam 100 marcos desde o nº801 ao 900].

As muralhas do castelo, do século XVI, contam com uma imponente torre de menagem [sec. XV], mandada construir pelo rei de Portugal D. João II.
Podemos ver parte recuperada do fosso que envolvia e protegia o castelo.
Porta de entrada vista  já do interior do castelo.
Porta de entrada do Museu Etnográfico.
Na muralha é bem visível o escudo com as armas de Portugal.
Fachada pricipal da igreja de Santa Maria do Castelo, dividida em três corpos, a cujos pés se destaca a frotaria da igreja, ladeada por duas colunas que terminam em castiçais, com um olho de boi muito interessante.
A Igreja de Santa Maria do Castelo, fica situada no interior do castelo.
Altar-mor em estilo barroco.
Retábulo com a árvore de Jessé, em várias cores, mostrando figuras de Jessé, pai de David, a Virgem Maria e o menino Jesus, entre outras figuras públicas da árvore genealógica.
Batistério com data de 1866.
Imagem de Cristo na Cruz
A poucos metros da Igreja de Santa Maria do Castelo, atravessando a Porta dos Anjos,
encontramos o Edifício da "Santa Casa de Misericórdia" de Olivença [visto a partir da Capela do Espirito Santo].
A "SANTA CASA DE MISERICORDIA" de Olivença foi inaugurada em 1501 com a presença do rei D. Manuel I.
Capela do Espirito Santo
Porta da Capela. Por cima, no triângulo, pode ver-se o escudo de Portugal.
[continua]

Fontes: Google e Guia local[adaptação]
Fotos: cajoco

segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

" Barragem Do Alqueva - O Grande Lago "

A Barragem de Alqueva é a maior barragem portuguesa e da Europa Ocidental, situada no rio Guadiana, no Alentejo interior, perto da aldeia de Alqueva. A construção desta barragem permitiu a criação do maior reservatório artificial de água da Europa.

Há 12 anos fechou as comportas para satisfação dos alentejanos.


O seu paredão possui uma altura de 96 metros acima da fundação e um comprimento de coroamento de 458 metros.
Almoçamos no "Restaurante Panorâmico Amieira Marina".
Cá do alto avistamos a marina e um ancoradouro que possui diversos pontos de amarração para os barcos.
O " GUADIANA RIO " aguardava-nos no cais de embarque para mais um cruzeiro fluvial.

Aqui podem praticar-se várias actividades aquáticas.

Partimos à descoberta do "Grande Lago" que, para nós, começou na Marina da Amieira e terminou na aldeia da Estrela.
Cruzamo-nos com outro tipo de embarcação de aluguer - o "Reguengos". Embarcações que adotaram o nome de povoações ribeirinhas.
Sobreiros e olivedo alinhado na zona ribeirinha foram uma constante.
Agora foi a vez de sermos saudados e saudar os passageiros do "Alandroal".
A todo o momento deparamos com ilhas isoladas pela subida do caudal da barragem.
Hoje tem água suficiente para abastecer 200 mil pessoas da região e regar os campos agrícolas em três anos agrícolas de seca.
Enquanto o " GUADIANA RIO " navegava nas águas calmas de " O Grande Lago ", disfrutávamos o ar puro daquele oásis de tranquilidade, bastando-nos para isso... olhar em volta.
Uma construção rústica é aqui bem visível.
O motorista manobra o barco para a atracagem suave no cais da Estrela.
Os varandins facilitam o desembarque e lá no alto, à esquerda, divisa-se o autocarro pronto para continuarmos a nossa viagem.
Processou-se sòmente o desembarque dos passageiros que seguiam de autocarro rumo a... Olivença .  

Os restantes regressaram ao cais da Amieira.
A juzante da barragem o rio Guadiana continua paulatinamente até à foz, sendo navegável nos últimos 68 quilómetros a partir de Mértola.

Um projecto que ainda está por concluir...


Fotos: cajoco

Fonte: Google [adaptação]

sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

" Inspecção de Equinos "


Nunca é tarde para reactivar o Azimute e reacender a chama com @s amig@s.

Assim, apesar da memória difusa desse passado longínquo ainda  me recordo que:
Os cavalos e as éguas iam periodicamente à inspecção a Carrazeda de Ansiães.

A inspecção era feita por médicos veterinários, oficiais do exército. 

Os melhores exemplares eram mobilizados para o exército. 

Os dos médicos ficavam normalmente isentos. 

Eram, naquele tempo, o único meio de transporte, nas deslocações, para visitar os seus doentes nas aldeias circunvizinhas.

Foi o caso da Carriça, que o Dr. Belarmino [24.10.1903-24.11.1995], meu pai, me incumbia de levar à inspecção. Era sempre um dos melhores exemplares. 

Os oficiais normalmente gostavam de dar uma volta a cavalo nela.


cajoco

quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

" GAIVOTA " / PAUSA


Aqui fica a gaivota de atalaia
De olhar posto em vós,
Vou fazer uma PAUSA... Ir à praia,
Não vou deixar @s amig@s sós.



Parar para pensar não é o mesmo que desistir! 

Um abraço para tod@s!

O Azimute Voltará... em Outubro!


cajoco

Foto: cajoco

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

" BADOCA SAFARI PARK " [4 / 4]



Terminado o SAFARI, saímos do cais de embarque dando lugar para outros visitantes desfrutarem o Safari seguinte.
 

No regresso  à  "Ponte Panorâmica" deparamos ainda com um par de Papa-formigas, com o seu focinho comprido e afilado.  A sua língua é comprida e viscosa.


À saída da ponte tivemos a oportunidade de retratar mais totens: humanizados ou...
... representativos de aves, como este pelicano.
Ainda houve tempo para um passeio pedestre e  visitar outra parte que funciona como Zoo.

Topamos um par de grifos. Abutres que ocorrem nas montanhas do sul da Europa, do Sudeste Asiático e de África.

Mais um Totem, símbolo africano que encerra certamente uma boa história do imaginário africano cheio de feitiçarias e premonições.


Uma girafa-brinquedo em madeira para as crianças se divertirem, subindo no seu interior até ao cimo abanando lá de dentro as orelhas da girafa.


Um elefante - brinquedo que as crianças desfrutam com prazer amarinhando no seu interior.


Um crocodilo de madeira e os seus ovos. Sorri feliz, olvidando as suas famosas lágrimas,  por estar em tão boa companhia.
Um facóquero ou javali-africano, com a sua grande cabeça e o corpo em forma de barril.
São herbívoros, sendo a sua alimentação à base de ervas, folhas e rizomas. As visitas não conseguiram interferir na sua soneca retemperadora.


Cabras-anãs, domesticadas, criadas e orientadas para a produção de leite.
Os machos são os que apresentam mais diferenças entre as raças na forma dos chifres e da cor da pelagem.
As cabras vivem em lugares montanhosos e pedregosos. Alimentam-se de qualquer tipo de matéria vegetal, como ervas, arbustos, bagas e musgos.


Um porco doméstico - animal que todos conhecem, mamífero, maciço, de patas curtas, terminadas por 4 dedos munidos de cascos, que, à semelhança do javali, dormia sem mais cerimónias. As visitas não conseguiram despertá-lo.  
São omnívoros. Digerem bem todos os alimentos excepto celulósicos.
Ainda deu para ver um pato que se desenfiou passeando por conta própria. 

Ficou muita coisa para ver e retratar; motivando uma próxima visita.
                                  
                 cajoco                       

Fonte: Google [adaptação]
Fotos: cajoco

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

" BADOCA SAFARI PARK " [3 / 4]

Prosseguindo no nosso SAFARI  e estando atentos às explicações do guia deparamos com:

Gnus azuis: Vivem em grandes manadas, e pastam pelas savanas. Quer os machos quer as fêmeas têm chifres.

Gnus azuis com uma cria. Em defesa da cria, como instinto, a mãe gnu, em fúria, é capaz de enfrentar leopardos, hienas e até mesmo leões, com seus chifres e coices. A gestação é em média de 260 dias, nascendo apenas uma cria.

Gnu-preto de cauda branca é uma das duas espécies de gnus.
A zebra é um dos mais belos animais. Um animal que encanta pelo seu colorido riscado e a sua elegância.

Uma zebra e um carneiro da Bavária à espreita. As zebras e os gnus também se misturam com facilidade.


Gazela Springbock, chega a atingir 90 km / h em 15 minutos de seguida, com a vantagem, em relação aos seus perseguidores de saltar por cima da maioria dos obstáculos.
São encontradas nas zonas semi-áridas da África do Sul. Migram em grandes rebanhos de mais de um milhão de indivíduos conhecidos por trek. Alimentam - se de gramíneas e outra e vegetação.

Carneiros da Bavária. Quando atacados fecham-se numa formação circular guardando as crias no meio.

Veado Ibérico, macho novo. O aspeto mais chamativo de diferenciação entre machos e fêmeas é a presença nos machos das galhadas (hastes).
[continua]

Fontes: Google e Guia

Fotos: cajoco