Porto de Sines

Porto de Sines

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

REMIX EM PESSOA


REMIX EM PESSOA - conferência de imprensa aberta ao público
Jô Soares escolhe uma série de poemas de Fernando Pessoa, porque o considera essencial e o amigo Billy Forghieri musica-os. O resultado é Remix em Pessoa. O projecto é lançado no Brasil, no formato CD, em 2007, e apresentado em vários teatros brasileiros, e a aceitação por parte do público e da crítica é enorme. A Espelho de Cultura apresenta pela primeira vez em Lisboa, Remix em Pessoa, no Teatro Villaret de 29 de Janeiro a 31 de Janeiro, e de 03 a 07 de Fevereiro.

Eis um desses poemas...
----------------------------------------------------------------------
Sou Eu

Sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,
Espécie de acessório ou sobressalente próprio,
Arredores irregulares da minha emoção sincera,
Sou eu aqui em mim, sou eu.

Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim.

E, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco inconseqüente,
Como de um sonho formado sobre realidades mistas,
De me ter deixado, a mim, num banco de carro elétrico,
Para ser encontrado pelo acaso de quem se lhe ir sentar em cima.

E, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco longínqua,
Como de um sonho que se quer lembrar na penumbra a que se acorda,
De haver melhor em mim do que eu.

Sim, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco dolorosa,
Como de um acordar sem sonhos para um dia de muitos credores,
De haver falhado tudo como tropeçar no capacho,
De haver embrulhado tudo como a mala sem as escovas,
De haver substituído qualquer coisa a mim algures na vida.

Baste! É a impressão um tanto ou quanto metafísica,
Como o sol pela última vez sobre a janela da casa a abandonar,
De que mais vale ser criança que querer compreender o mundo —
A impressão de pão com manteiga e brinquedos
De um grande sossego sem Jardins de Prosérpina,
De uma boa-vontade para com a vida encostada de testa à janela,
Num ver chover com som lá fora
E não as lágrimas mortas de custar a engolir.

Baste, sim baste! Sou eu mesmo, o trocado,
O emissário sem carta nem credenciais,
O palhaço sem riso, o bobo com o grande fato de outro,
A quem tinem as campainhas da cabeça
Como chocalhos pequenos de uma servidão em cima.

Sou eu mesmo, a charada sincopada
Que ninguém da roda decifra nos serões de província.

Sou eu mesmo, que remédio! ...

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

12 comentários:

puga assis disse...

Grande informação. Imagina que não sabia. Não vou faltar. Bem gostava que fosses comigo. Pensa nisso e obrigado.

Kimbanda disse...

Olá amigo Jorge, excelente informação / divulgação.
Merecedor de toda a atenção pelos nossos irmãos brasileiros nas mais variadas circunstâncias. Estudam-no, usam-no, conhecem-no.
Por cá nota-se o grande desconhecimento, ignorância quase generalizada da obra de Fernando Pessoa.
O país precisa de menos sofá em frente à televisão e mais leitura.
Kandandu amigo

jorge disse...

Zito,
Folgo pelo efeito positivo da informação e pela tua prevista presença. Se puder lá estarei, mas só em Fevereiro.
Um abraço

jorge disse...

Amigo Kimbanda,
Cá recebi o seu Kandandu, obrigado.
Mesmo na "comodidade" do sofá podemos ter acesso à cultura, se soubermos usar o "comando" na TV.
Prefiro a leitura; abre-nos outras perspectivas.
Nenhum outro português ultrapassa no Brasil a importância de Fernando Pessoa.
É imperdível ver esse grande humorista Jô Soares, com sotaque português, declamar Pessoa, ainda mais no Teatro com o nome de João Villaret, o maior declamador do Poeta.
Um cordial abraço

Regina Rozenbaum disse...

Jorge
Fernando Pessoa... Li no comentário, do amado Kimbanda, que aí vcs "conhecem" pouco esse que foi, na minha modesta opinião, um dos maiores escritores/poetas do mundo????? Não posso crer! De qualquer maneira, hoje passo aqui para lhe fazer um convite: amanhã, 29/01 pode dar uma passadinha lá no blog e me ajudar com o "Aquilo que me cativa"? Se não puder amanhã, pode ser em qualquer outro dia, mas conto com sua valorosa contribuição!
Beijuuss n.c.
Regina
www.toforatodentro.blogspot.com

Silvana Nunes .'. disse...

Gostei do post, estou dando uma espiada pelo seu espaço, desculpe a invasão.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... apriveita para desejar um bom dia.
Beijo grande.
Saudações Florestais !

jorge disse...

Regina, bisou um comentário seu tão esperado.
É pena, mas é pura verdade, Fernando Pessoa é mais conhecido e estudado no Brasil que em Portugal. A cultura é a maior riqueza de um povo. Tenho dito.
Fernando Pessoa e Camôes ombream como os dois maiores poetas portugueses. A nível mundial, salvo melhor opinião, só Pablo Neruda se lhes equipara.
Bjis

jorge disse...

Boa noite Silvana, seja bem-vinda a este partilhado espaço, privilegiado com mais uma seguidora, obrigado.
Cordialmente, bjis

Anónimo disse...

Vamos lá ver se o comentário, fica registado.
" Se a distãncia não fosse tão grande, era um espectáculo que gostava de presenciar. porque o Jô Soares tem uma aracterística especial de os apresentar, tão diferente dos nossos aristas"

Macua

jorge disse...

Amigo "Macua", bem-vindo!
Ver para crer. Eis, no texto supra, o seu estimado comentário.
As reacções ao primeiro espectáculo, tecem os maiores elogios a JÔ SOARES, considerancdo o espectáculo muito bonito, ainda mais que ouvir Jõ Soares falar com sotaque português foi considerado muito comovente, contribuindo para que todos se divertissem ao mesmo tempo.
Volte sempre. Kanimambo, Hambanine
Um abraço.

Kimbanda disse...

Olá Jorge estimado amigo,
Voltei desta feita, para lhe propor um desafio que só aceitará se achar por bem, mas independentemente disso tem a recolher um selo "prenda" que com muito gosto faço questão de ver no seu blogue, a levantar neste link: http://serra-da-leba.blogspot.com/2010/02/10-coisas-que-nao-me-saem-da-cabeca.html
Kandandus sinceros

jorge disse...

Amigo Kimbanda,
Fiquei deveras sensibilizado com a recepção do seu selo/prenda, tanto mais que é o primeiro símbolo de amizade neste espaço dum principiante nestas andanças. Só a ajuda dos netos possibilitou a sua concretização. Está num lugar de honra. Kanimambo sincero.
Acho óptima a ideia, mas para além da minha rede social ser muito limitada, por motivos pessoais, não me é possível referir as 10-coisas-que-não-me-saem-da-ideia.
Um grande abraço