Porto de Sines

Porto de Sines

quarta-feira, 3 de março de 2010

UM POEMA DE SOLIDÃO

"Esta terra montanhosa cheia de prados e de
flores claras é um lugar alegre.

Na floresta as árvores dançam e os macacos
brincam,

pássaros dão voz a todos os tipos de belas
melodias e as abelhas esvoaçam e flutuam.

Magníficas cascatas de torrente de Verão
e Inverno,
neblinas de Outono e de Primavera rolam
em novelos,
O arco-íris cintila noite e dia.

Nesta solidão, Mila, o de vestes de algodão
encontra a sua alegria.

Contemplo o vazio de todas as coisas e vejo
a luz clara,

Feliz quando toda a espécie de coisas aparecem
perante mim: quanto mais coisas aparecem
mais feliz eu fico,

Dado que o meu corpo e mente estão livres
do mal.

Feliz estou enquanto as coisas redemoinham
à minha volta-

No seu ir e vir fico feliz, por estar livre
dos altos e baixos da paixão.

No centro absoluto das visões estou feliz,
por estar livre da paixão.

Feliz na transformação da dor em alegria.
feliz na força do meu corpo,

Feliz nas canções triunfantes que canto,
ao dançar a correr e a saltar,

Feliz ao transformar as palavras em sons
que murmuro

Feliz no meu poder espontâneo..."
in O Caminho Tibetano

12 comentários:

Multiolhares disse...

Quando entendemos o sentido de cada uma dessas fazes, o sentido da vida também muda e se torna mais simples
beijitos

Vitor Chuva disse...

Olá Jorge!

Obrigado por se ter tornado meu seguidor; dá-me muito prazer nisso.
E eu retribuo, com muito gosto, e passarei a ser visita sua.
Um abraço
Vitor

Jorge disse...

Luna,
Os poemas de Milarepa incluem os prazeres da vida solitária e o amor absoluto pela paisagem, muitas vezes cruel e rude.
Bj amigo

Regina disse...

Em situação de solidão tem que se aprender a ser feliz, ocupando-nos com actividads de que gostamos e sempre com pensamentos postivos. Beijinhos Jorge e faça o favor de ser FELIZ.

Jorge disse...

Viva Vitor!
Grato pela sua presença e retribuição, que significa para mim uma motivação positiva.
Um abraço.
Jorge

Jorge disse...

Regina predilecta,
É na solidão que nós aprendemos a repousar dentro de nós mesmos e só dorme bem quem aprende a repousar dentro de si.
A tua preocupação pela minha felicidade, torna-me logo mais feliz. Obrigado.
Bjis.

Graça Pereira disse...

Poema tranquilo, cheio de paz...é esse o caminho da felicidade: as coisas simples que nos rodeiam e que ás vezes, não lhes prestamos grande atenção... e, afinal, custa tão pouco!
Beijo
Graça

Jorge disse...

É verdade Graça,
Este poema traduz a alegria do autor, vivendo e vagueando pelas montanhas, usufruindo a beleza e tranquilidade que a natureza lhe proporciona.
Bj
Jorge

direitinho disse...

Coisas simples. Coisas nossas de todos o dias.
Como a vida é diferente e mais bela quando a vivemos nessa simplicidade de todas as estações, com a orquestra dos passaritos a cantar ou a música dos ribeiros a saltitar as rochas...

Vitor Chuva disse...

Olá Jorge!

Com menos pressa, retornei para comentar o seu post: Que é um hino de louvor á Natureza, às coisa simples, e à paz que nela podemos encontrar - e que nos ajuda a estar em paz con nós próprios!

Um abraço; bom resto dse fim de semana!
Vitor

Jorge disse...

Olá Luis,
A natureza transmite-nos ensinamentos e recordações que perduram em toda a nossa vida. Felizes daqueles que a podem observar e usufruir em toda a sua plenitude.
Um braço.

Jorge disse...

Viva Vitor,
Que agradável e surpreendente retorno, obrigado.
O contacto com a natureza liberta-nos, inspira-nos e o nosso pensamento, por vezes, voa, foge da solidão, procurando encontrar quem, os nossos olhos capazes de ver não são...
Um abraço.