Porto de Sines

Porto de Sines

domingo, 21 de março de 2010

A DEUSA E O MACACO


De acordo com uma antiga lenda budista tibetana, quando o mundo foi criado não havia seres humanos. O bodhisattava da compaixão, Avalokiteshvara, e a sua consorte, Tara, enviaram as suas encarnações para o Tibete. A incarnação de Avalokiteshvara tomou a forma de um macaco, enquanto Tara era uma ogra canibal Tagsen Mo. O macaco fez voto de celibato estrito e vivia em reclusão meditativa, Tagsen Mo estava muito solitária e chorava e cantava sobre a sua solidão.
O macaco ouviu os gritos desesperados da ogra e ficou cheio de compaixão. Tagsen Mo pediu-lhe que casasse de imediato com ela, mas ele inicialmente recusou por causa dos seus votos. No entanto, concordou depois de consultar Avalokiteshvara e o casal deu origem a seis filhos, de quem se diz serem os progenitores das seis classes que habitam o universo: deuses, semideuses, espíritos famintos, animais e habitantes do inferno. Por sua vez, a descendência dos seis filhos deu origem aos primeiros tibetanos.

in O caminho Tibetano

8 comentários:

direitinho disse...

Ele há para aí cada lenda que eu nem digo nada........!
Um macaco com voto de castidade...?
Nesse tempo ainda havia macacos inteligentes....coisa rara e irreal nestes tempos em que vivemos.
Parece-me que todos os macacos perderam a razão e a graça e só vivem para complicar mais esta vida com guerras, roubos e uma malvadez sem qualquer limite nem sentido.

Votos de uma boa semana

Vitor Chuva disse...

Olá Jorge!
Cada povo procura explicar a criação do mundo á sua maneira, de acordo com o seu passado e tradições. Esta, para nós, tem certamente um toque de exotismo, algo de muito estranho, mesmo ... mas valerá tanto como qualquer outra.

Um abraço. Vitor

Jorge disse...

direitinho,
Os macacos, dos tempos de agora, representam a mesquinhez do mundo real e o macaco da lenda, a utopia.

Cordialmente.
Jorge

Jorge disse...

Viva Vitor!
A sua presença é sempre uma mais valia para este espaço.
As lendas estimulam a nossa imaginação e outra tantas deambulações do possível ao impossível. Algumas fazem parte da identidade cultural dos povos.
Um abraço.

Graça Pereira disse...

Jorge
Os macacos agora sabem muito... e ele há cada macacão!!
Gostei da lenda e da explicação (encontrada) para a origem dos tibetanos... Tenho um fascinio por landas e em Portugal também as há bem bonitas.
beijo
Graça

Jorge disse...

Graça,
Grato, como sempre, pelos seus espontâneos e oportunos comentários, que avalizam este espaço/aprendiz dum aluno atento.
A "escola" da da vida requintou a sabedoria dos macacos...
As aventuras, de algumas lendas, despertam a nossa imaginação e são uma forma de encarar a história e a mitologia dos povos.
A próxima poderá ser bem portuguesa. Obrigado.
bj
Jorge

sandra Freitas disse...

Ai..ai...lendas..
Não gosto dos macacos de agora...
abraçossssssss

Jorge disse...

Sandra, bem-vinda!
A lenda também contempla uma ogra infeliz por quem o macaco, por compaixão, prescindiu dos seus votos de castidade.
Saudações amigas.