Porto de Sines

Porto de Sines

sábado, 13 de março de 2010

Minha Aldeia

Minha aldeia é todo o mundo.
Todo o mundo me pertence.
Aqui me encontro e confundo
com gente de todo o mundo
que a todo o mundo pertence.

Bate o sol na minha aldeia
com várias inclinações.
Ângulo novo, nova ideia;
outros graus outras razões.
Que os homens da minha aldeia
são centenas de milhões.

Os homens da minha aldeia
divergem por natureza.
O mesmo sonho os separa,
a mesma fria certeza
os afasta e desampara,
rumorejante seara
onde se odeia em beleza.

Os homens da minha aldeia
formigam raivosamente
com os pés colados ao chão.
Nessa prizão permanente
cada qual é seu irmão.
Valências de fora e dentro
ligam tudo ao mesmo centro
numa inquebrável cadeia.
Longas raízes que imergem
todos os homens convergem
no centro da minha aldeia.


[António Gedeão]

14 comentários:

direitinho disse...

Todos os poemas de António Gedeão são únicos. Peças de uma beleza onde navegamos no tempo e no espaço.
«A minha Aldeia é todo o Mundo»

A data parece que algo está errado

penso que deveria ser = 13/03/2010
Poderia ser à CEE = 2010/03/13
Como está não faz sentido
= 3/13/2010

Peço que me desculpe o reparo

Jorge disse...

Amigo direitinho,
Antes de mais bem-vindo.
António Gedeão é um poeta multifacetado. Os seu poemas são autênticas preciosidades.
Têm razâo, o nosso mundo é uma aldeia global.
As suas formas de datar estão absolutamente correctas e recomendáveis.
Q modelo MDY, por mim adoptado, estava à disposição quando da criação do blog e consta ainda da tabela que segue:
A Tabela 8-10 mostra algumas entradas possíveis para o tipo date.
Exemplo Descrição
January 8, 1999 não-ambíguo em qualquer modo de entrada em datestyle
1999-01-08 ISO 8601; 8 de janeiro em qualquer modo (formato recomendado)
1/8/1999 8 de janeiro no modo MDY; 1 de agosto no modo DMY
1/18/1999 18 de janeiro no modo MDY; rejeitado nos demais modos
01/02/03 2 de janeiro de 2003 no modo MDY; 1 de fevereiro de 2003 no modo DMY; 3 de fevereiro de 2001 no modo YMD
1999-Jan-08 8 de janeiro e qualquer modo
Jan-08-1999 January 8 em qualquer modo
08-Jan-1999 8 de janeiro em qualquer modo
99-Jan-08 8 de janeiro no modo YMD, caso contrário errado
08-Jan-99 8 de janeiro, porém errado no modo YMD
Jan-08-99 8 de janeiro, porém errado no modo YMD.
Cordialmente
Jorge

Vitor Chuva disse...

Olá Jorge!

Bonito poema baseado num subtil jogo de palavras de multiplos sentidos, metáforas, em que António Gedeão é um grande mestre.
A nossa aldeia - onde se trabalha de sol a sol , e a aldeia de todos nós, para onde sairam alguns dos que moravam na nossa aldeia, e a ela retornam - juntando-se aos que de lá nunca sairam.
Lindamente escrito!

Bom fim de semana.
Um abraço.

Jorge disse...

Viva Vitor!
É isso mesmo! O seu comentário é também um ensinamento.
António Gedeão é, ainda, um mestre de ironia e, por vezes, de um profundo sarcasmo.
Igualmente um BFS si.
Outro abraço.

Graça Pereira disse...

António Gedeão foi uma óptima escolha." Longas raízes que imergem todos os homens convergem no centro da minha aldeia". E a foto da tua aldeia converge o meu olhar para te dizer: Que linda é a tua aldeia!
Beijo
Graça

Regina Rozenbaum disse...

Jorge, amado!
Vim hoje para agradecer-lhe as palavras generosas e carinhosas que deixou para mim: OBRIGADA do fundo de minha'lma! É estranho...mas vocês, amigos "virtuais" não fazem idéia como são queridos e importantes para mim...há uma cumplicidade inexplicável, uma proximidade calorosa...e eu agradeço por isso.
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com

Multiolhares disse...

Esse sentimento de sermos um no meio de tantos e a nossa aldeia pode ser o espaço que determinarmos
beijitos

Jorge disse...

Graça,
Obrigado pelo enaltecimento à minha aldeia.
O poema de António Gedeão é valioso contributo de valorização de "A minha Aldeia" que, por sua vez", não o desmerece.
Bjis.

Jorge disse...

Multiolhares,
Grato pela visita e pela sua interpretação que sublinho com respeito.
Abraço.

Jorge disse...

Rê Amiga,
Os amigos "virtuais" devem estar sempre presentes.
O sofrimento desperta em nós a empatia que nos liga aos outros.
Esta preocupação não foi mais que um pequeno retorno da solidariedade e apoio que sempre recebi.
Bj solidário.

lepac disse...

Jorge Amigo
O Zito está contigo !

Sempre que abro o teu blogue sinto a nostalgia da nossa terra, o que me faz bem.
Mas não é só a terra, continuas a ser para mim fonte de aprendizagem nos mais diferentes domínios.
É o carinho com que tratas e cativas quanto te visitam, são os progressos que registas no teu blogue, agora com musica de fundo,mensagens que passam electronicamente, não paras !!!! E eu fico feliz com isso.
Agora vais ter de me explicar como metes-te a música de fundo ao abrir o blogue, porque eu nunca consegui.
Tenho que te dar um grande abraço de parabéns.

Jorge disse...

O Zito está sempre comigo, nesta caminhada existencial.
A nossa aldeia, por mais humilde que seja, não tem igual. É o nosso encanto.
Os teus elogios deixam-me, quáse sempre, desarmado. Os simples avanços, não passam de aprendizagem partilhada com os amigos, acrescida do contributo disponível e solidário da minha neta.
Um forte e amigo abraço.

Regina d´Assis disse...

Onde está a gente da minha aldeia?
Dispersa pelo mundo inteiro...
E eu cá tão longe dela,
gente que não me sai da ideia.
bjs.

Jorge disse...

Regina d'Assis,
Obrigado pelo teu contributo.
A nossa aldeia e as suas gentes estão sempre presentes na nossa vivência quotidiana. A nossa aldeia é o nosso mundo. A ela estamos ligados pelas raízes que apelam por nós.
Bjis