Porto de Sines

Porto de Sines

terça-feira, 3 de junho de 2014

África / Moçambique [3/3]

Agora já com  fotos a cores, algumas um pouco esmaecidas.
 Moçambique

 MOCUBA 
"ONDE TODOS CAMINHOS SE CRUZAM 
E TODA A ZAMBÉZIA SE ABRAÇA"



Em Mocuba [Zambézia], na ponte sobre o rio Licungo.

África do Sul

No Charlton Centre, edifício com 50 andares e 223 metros de altura, conhecido naquele tempo como o "Topo de África", com Joanesburgo aos pés. No canto esquerdo divisa-se a silhueta da "Torre de Hillbrow". 

Europa / França


Por fim, em Paris, de licença graciosa, com o Arco do Triunfo como pano de fundo.

Ficam sempre, "boas recordações".

Adeus a todos!!

cajoco

10 comentários:

Graça Pereira disse...

Tu estiveste em Mocuba?? Emocionei-me agora! Não há dúvida que, falar da Zambézia, para mim, é falar de lar, de casa, de família...
Tenho fotos tiradas no mesmo local e na ponte sobre o rio Licungo...
Esquecer África? Não posso, corre-me nas veias!!
Obrigada, um abraço e boa semana.
Graça

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Recordações que sempre nos acompanham.
Se fosse possivel voltar atrás no tempo e viver alguns dias como se viverem naqueles tempos seria uma coisa inesquecível.

Majo disse...

~
~ ~ ~ Recordar é viver ...

~ ~ Há muitas coisas que evito recordar, porque a saudade dói.

~ ~ ~ África é uma delas.

~ ~ ~ ~ Abraço. ~ ~ ~ ~

Jorge disse...

Graça,
Os laços que nos ligam a África são para toda a vida, são imperecíveis. A língua portuguesa é a base de tudo isto.

Jorge disse...

Luis Coelho,
As recordações e a saudade são uma forma de encurtar a distãncia no tempo.

Jorge disse...

Majo,
A saudade às vezes perde-se na imensidão africana e, por vezes, traz consigo uma lágrima.

vitorchuvashortstories disse...

Olá, JORGE!

De África para Paris, um mundo de contrastes recheado de recordações que não esmaecem...sejam elas a preto e branco ou a cores.

Um abraço amigo e bom fim de semana.
Vitor

Ana Tapadas disse...

Que recordações tão lindas!

Beijinho grande

Jorge disse...

Vitor,
Memórias antigas, aqui relembradas, continuam enraízadas, emergindo e suavizando o nosso quotidiano.

Jorge disse...

Ana,
Aproveitei para reviver um pouco aquilo que deixei para trás.