Porto de Sines

Porto de Sines

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Igreja de NOSSA SENHORA dos NAVEGANTES [2/3]

Por vezes, quando visito uma localidade e uma porta da igreja está aberta gosto de entrar. Faz parte das minhas convicções e maneira de encarar a vida.



Foi o caso da Igreja Matriz de Armação de Pêra, erigida em nome de Nossa Senhora dos Navegantes, benzida e inaugurada, em 24 de Julho de 1960, pelo Bispo do Algarve, conforme consta na placa em mármore alusiva ao acto. 

Os pescadores e as pessoas que viajam no mar, pedem protecção à Nossa Senhora dos Navegantes para poderem regressar sãos e salvos aos seus lares.



A nossa atenção foi despertada de imediato para uma aula prática de como se deve assistir e acompanhar a Santa Missa, promovida por uma motivada e motivante professora [repare-se nos alunos de dedo no ar inquirindo-a sobre as suas dúvidas].



Foi, para nós, uma lição inesperada de como se exerce o magistério com entusiasmo e evidente empenho pelo ensino.



Um pouco de recolhimento para oração e acender duas velinhas, gerir emoções em memória de quem prematuramente partiu deste mundo, contribuíram para o apaziguamento da mente e da alma, continuando algo a viver em nós, a inspirar-nos.



Um magnífico exemplar de concha baptismal foi também objecto da nossa curiosidade,



bem como um requintado e bem iluminado batistério, que espreitamos através de um gradeamento em ferro.

Em Agosto, tem lugar em Armação de Pêra a festa de N. Sra dos Navegantes, culminando com a procissâo nocturna no mar, onde participam as embarcações ricamente enfeitadas e iluminadas.


[cajoco]

8 comentários:

Graça Pereira disse...

Sou como tu: não resisto a uma porta aberta de qualquer igrejinha por onde passe. Gosto de estar no silêncio de um local sagrado e falar com o nosso Deus, coisas simples do meu dia a dia que Ele sabe melhor do que eu!
A imagem de Nª sª dos Navegantes é lindissima e a Igreja muito convidativa! Há muitos adultos que tambem precisariam de uma explicação do modo de estar e assistir a uma Missa.
Obrigada por esta bonita reportagem.
beijocas
Graça

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Jorge!

Também eu gosto de entrar em Igrejas, especialmente naquelas de estilo clássico e mais convidativas, embora não seja pessoa de profundas convicções religiosas.Ainda assim, lá sinto-me sempre bem.

Obrigado pela visita guiada, muito bem ilustrada por belíssimas fotografias.Parabéns!

Abraço amigo.
Vitor

joaquimdocarmo disse...

Amigo Jorge!
Muito bom hábito o seu, concordo! Para além de motivos religiosos, que aplaudo, também se encontram nestes espaços de culto belíssimas pérolas arquitectónicas, relíquias variadas da arte sacra e, não menos importante, manifestações de fé verdadeiramente marcantes!
Abraço! As suas visitas e comentários são sempre bem vindas!
Quicas

Regina Rozenbaum disse...

Apesar de acreditar que D'us não tem uma "casa", gosto de entrar em todas (qdo encontro a porta aberta)e passar um tempo continuando minha prosa com Ele. Encontrar uma mestra fazendo seu ofício num local assim é prova de seu amor a essa profissão tão desvalorizada!
Beijuuss n.a.

Luís Coelho disse...

Belo passeio.
Gostei da visita e faço sempre isso. Se estão abertas entro e aproveito o silêncio para orar e meditar.

Passei no teu outro blogue mas não consigo deixar um comentário. Isto vai de mal a pior..

Janita disse...

Jorge Amigo.
As imagens são bem demonstrativas da beleza e simplicidade da Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes.
Os textos escritos com esse sentimento que lhe sai da alma, deixaram-me enternecida. Sobretudo quando fala no acender dessas velas. Imagino o que sentiu ao fazê-lo.
É uma lástima a maior parte das Igrejas terem as suas portas fechadas devido à sanha de pessoas sem escrúpulos.
Obrigada meu Amigo, por mais esta partilha.

Beijinhos com o meu carinho.

Janita

Elena disse...

Unas tomas estupendas del interior de esta iglesia tan bonita.
Un abrazo desde Faro!

Jorge disse...

Amigos/as: Graça, Vitor, Quicas, Rê, Luis, Janita e Elena, protagonistas desta partilha; agradeço as vossas opiniões, que são não só um valioso contributo para a valorização deste espaço, mas também uma oportunidade única de aprender e participar com os/as melhores.
Um braço para todos/as.
J