Porto de Sines

Porto de Sines

quarta-feira, 18 de julho de 2012

"DOM VASCO DA GAMA"






VASCO DA GAMA, épico navegador, nasceu nesta casa em Sines no ano de 1469. 


Duas placas alegóricas, uma com a Cruz de Cristo [utilizada nas velas brancas dos navios a partir do Sec. XV], datada de 8 de Maio de 1898,  em homenagem a Vasco da Gama identificando esta casa como sendo a do seu nascimento e outra datada de Abril de 1963, do CLUBE DE REGATAS VASCO DA GAMA [Rio de Janeiro - Brasil], homenageando o seu imortal patrono.



Torre de menagem do castelo de Sines onde habitaram os Gamas.



Vasco da Gama era um homem bom, puro e alentejano da boa cepa siniense.

Em  1497 é nomeado por D. Manuel I capitão da armada que parte para a Índia. Parte de Lisboa a 8 de Julho desse ano. A expedição é constituida por duas naus [São Gabriel e S. Rafael], a Bérrio, provavelmente uma caravela e um barco de mantimentos. O comando das naus é entregue aos dois irmãos, Vasco e Paulo, sendo a caravela comandada por Nicolau Coelho.

Preparou-se tudo com dignidade e esmero para a largada da armada.

E beijando o sol luminoso, nas flutuantes naus nessa manhã de 8 de Julho de 1497, deu-se início ao desfraldar das velas que enfunavam pela brisa marítima obrigando a deslizar pelo Tejo abaixo, a caminho do alto mar, enquanto da praia de Belém o povo acenava com lenços o já saudosismo encanto.

Não se esqueceu Vasco da Gama de olhar algumas milhas depois à terra de Sines para salvar à Senhora das Salvas ou Salas e rogar à sua benfazeja protecção divina e guiar a bom caminho a sua armada, na sua viagem do descobrimento do caminho marítimo para a Índia.

Chegar à Índia por mar não era tarefa fácil. A ligação marítima de Lisboa a Calecute, através da comunicabilidade do Oceano Atlântico e o Oceano Índico, o encontro entre o Ocidente e o Oriente. Exigiu muita ousadia e determinação.

Vasco da Gama e os seus marinheiros tinham um carácter rígido, quase inumano: são determinados e inflexíveis, imunes às hesitações, à dúvida, às angústias. Não há ao nível da viagem qualquer conflito.

Nos Lusíadas de Luis de Camões o assunto primordial é o do descobrimento do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama, conforme estas duas estrofes evocativas da chegada a Calecute:
.........................................................................................
Já a manhã clara dava nos outeiros
Por onde o Ganges murmurando soa,
Quando da célcea gávea os marinheiros
Enxergaram terra alta pela proa.
Já fora de tormenta e dos primeiros
Mares, o temor vão do peito voa.
Disse alegre o piloto melindano:
- «Terra é de Calecu, se não me engano.

Esta é por certo a terra que buscais
Da verdadeira Índia que aparece;
E se do mundo mais desejais
Vosso trabalho longo aqui fenece.»
Sofrer aqui não pode o Gama mais,
De ledo em ver que a terra se conhece.
De giolhos no chão, as mãos ao Céu,
A mercê grande a Deus agradeceu. [2]
..................................................................................

Atingiu Calecute em 20 de Maio de 1498. A Índia estava assim desvendada!!!

Vasco da Gama é o personagem por excelência de um dos acontecimentos referência da história de Portugal e do mundo.


Vista geral do Castelo de Sines


Estátua de Vasco da Gama a olhar para o mar imenso cheio de mistérios.


FONTES: [1] SINES, TERRA DE VASCO DA GAMA / VASCO DA GAMA E O SEU TEMPO
[2]  Os Lusíadas canto VI - 93 e 94
[Excertos  Adaptados]

10 comentários:

Zilani Célia disse...

OI JORGE!
LEGAL TUA POSTAGEM, ALÉM DE INTERESSANTE,FAZ-SE UM PASSEIO PELA HISTÓRIA.
ABRÇS

zilanicelia.blogspot.com.br/
Click AQUI

oteador disse...

famoso navegante..... y por lo que informas eminente hijo de sines. bonito castillo y buena foto. no esta haciendo mal tour rui costa en la dictadura wiggins froome. saludos

Regina Rozenbaum disse...

Jorge, amado!
Fico tão feliz quando aparece que venho rapidinho contar-lhe dessa alegria que me dás. Além disso fico mais "sábia" com essas suas postagens. Vou lhe contar um segredo: quando criança queria por queria entender o pq de não ter sido ele a descobrir o Brasil rsrsrs Não me pergunte os motivos desse meu questionamento infantil rsrsrs
Beijuuss n.a.

Multiolhares disse...

grandes homens que tivemos, lutadores de esperança sem fim, hoje pouco temos para contar se fizermos historia será pela negativa
beijos

Guma Kimbanda disse...

Amigo Jorge,

Grandes homens grandes feitos.
Fico feliz por amigo postar matéria tão interessante do ponto vista histórico, mas também um exemplo de postura, que assim chega por este meio ao conhecimento de alguns dos leitores que por razões óbvias não estudaram a história de Portugal.
Tenho de realçar a qualidade das fotografias que muito bem documentam esta postagem. (gosto imenso de fotografia)
Um prazer aqui vir assim como recebê-lo na minha humilde cubata também, que por razões que se prendem com estar fora de Portugal, não tenho podido aceder como gostaria e dar atenção merecida aos amigos e leitores.
Um forte e sincero kandando... Inté

Tunin disse...

Grandes navegadores, Jorge! Esses homens souberam inscrever seus nomes na história com muita dignidade e bravura.Enfrentar o desconhecido não é para qualquer um.
O passeio pela história, rendeu-me um positivo acréscimo à memoria.
Abração.

Graça Pereira disse...

Uma página da nossa história tão brilhante e aqui posta por ti numa crónica bem documentada!
Que fizeram das "gentes valerosas" deste país? Que ventos os levaram daqui?
Gostaria que a história não acabasse assim...utilizando o título do livro de Miguel Sousa Tavares!
Beijo e bom fim de semana.
Graça

Ana Tapadas disse...

Uma maravilha de edição: fotos e textos. Já sabe que adorei: alentejana, prof.ª de Literatura e desanimada com os novos timoneiros...

Beijinho e obrigada pela sua presença nestes meus dias de trabalho intenso e de calor sufocante.

lis disse...

Oi Jorge
Uma delícia de post.
Lembrei dos meus tempos de escola,acho que todos gostavam da história dos navegadores.E junto a Cabral , sempre Vasco da Gama, incansável ! há até quem diz que seguindo as aves ele foi quem avistou as terras brasileiras, mas isso é papo de escritor , rs que gosta de discordar...
Pena perceber que já nao se faz homens desse naipe.Determinado e corajoso patriota!

* estou observando que o link do Azimute se perdeu no meu blog, estou eu a perder excelentes postagens aqui que acabo de verificar.
Vou levando agora.
meu abraço grande

Jorge disse...

Amigos/as
Foi bom ler os vossos comentários, brindando-me assim com a vossa preferência. Para mim continuam a ser um reconhecimento e uma companhia muito importantes. Obrigado!
...................................
Depois do descobrimento do caminho marítimo para a ìndia, e de assombrar os reis,rajás e de fazer tratados de alianças, Vasco da Gama volta ao Tejo [Portugal], tendo deixado seu irmão Paulo da Gama sepultado no convento de S. Francisco, da ilha Terceira[Açores], em 1499.
Saindo dos Açores em fins de Agosto chegou Vasco da Gama ao Tejo provavelmente a 9 de Setembro, fundeando as naus do Gama defronte do Restelo, com outras que compartilhavam do regozijo.
El-rei D. Manuel deixara Sintra a caminho de Lisboa para assistir às solenidades e delas comparticipar.
...................................
Assim, com o descobrimento do caminho marítimo para a Índia foi possível a Portugal, um pequeno país à beira-mar plantado, criar um império mundial.

UM ABRAÇO!!!